André Rocha em 13/01/20

Não espere de mim
Não apresse meus passos!
Não me decifre (impossível)
Fique sempre alerta,
Pois dou sinais.
Às vezes sutis
Às vezes até em gritos!
Alternadamente:
Sou quem você mais ama!
Ou sou quem você mais odeia!
Sou Hitler e a Madre Tereza!
Alternadamente:
Confidente compulsivo!
Ou fechado como ostra!
Sei o que gosto ou não
Sei onde vou até me perder…
Sem a piedade de quem me odeia
(a auto piedade é dada a quem odeia)
Alternadamente:
Doce como o mais lindo sonho!
Ou amargo como o pior pesadelo!
A chuva pode ser linda na seca
Mas um pesadelo onde for demais!
Sentido nenhum faz estar só
Mas, tem horas que é excelente!
Não espere de mim
Não apresse meus passos!
Alternadamente:
Estou feliz!
Ou estou muito triste!
Sou uma antítese natural
Minha natureza me fez assim
Ora amável, ora repulsivo
Alternadamente:
Sou amor!
Ou sou ódio!
Sempre:
Humano!
André Rocha
(reflexivos dias do verão/2020)

Você gostou? Compartilhe:

Tags: , , , , ,

André Rocha em 06/10/18

Você tem o direito ao absurdo!
Tem o direito de querer ser feliz.
Tem o direito de se fazer surdo,
O direito de possuir o que quis.

O direito de escolher o que quer
Também até não querer escolher
De gostar de homem ou mulher
E até mesmo do óbvio não ver.

“És tudo da lei’, segue sua sina!
E a cada ode que nunca termina
À própria história e seus defeitos.

Tudo da lei, mesmo não querendo!
Sendo escolhido ou escolhendo,
Cada um com seus pétreos direitos.

 

André Rocha
06X2018

Você gostou? Compartilhe:

Tags: ,

André Rocha em 27/07/18

Quem dera se toda pedra no sapato
Fosse de tamanho igual em todo mundo
Se faria justa toda a dor num segundo
E das letras não me tornaria um ingrato.

Réguas, diapasões, bússolas e corações…
Medem, afinam, orientam e torturam…
Todos os dedicados que tanto juram
Se manter presos à regras e convenções.

Desde que não imagine chegar ao fundo,
Sofrer minhas dores parece sensato
Meu padrão é desviar de todos padrões

Em meus pensamentos, terreno fecundo.
Eu não sei me prender à métrica e é fato
E que me perdoem de Bilac a Camões.

André Rocha

Você gostou? Compartilhe:

Tags: , , , , ,

André Rocha em 15/03/18

AMOR E MORTE – Por André Rocha (publicado pela primeira vem em Portal Cultura Alternativa)

Amig@s, dificilmente comento minhas poesias, mas nestes últimos meses, uma sequência de acontecimentos tirou do nosso convívio, de familiares a amigos e conhecidos, sem contar a lembrança de quem partiu há mais tempo.

Vou falar do tema de uma delas “A Morte” (página 60 do meu livro “Quase todos sentimentos em versos”). Trata-se de uma referência a um acontecimento inevitável para todos os seres vivos, mas que ainda assim provoca medo e desconforto e como o título já diz: A Morte.

Tal como o ciclo da vida, a poesia, embora “concreta”, começa com amor e termina com morte. Mas qual o sentido disso? Eu imagino nela todo o sentido possível, pois, se pararmos para analisar, a morte só tem relevante importância para quem ama! Já parou para pensar que sofremos com intensidades diferentes, bastando amarmos de fato pela pessoa que morreu? Ou seja, sofremos visceralmente com a morte de familiares e amigos próximos, mas apenas lamentamos a “passagem” dos demais, pois normalmente não os amamos.

Estou falando por mim e percebi que nos últimos anos, há uma triste tendência à banalização da morte, ou seja, pouco é feito ou cuidado para que as mortes não aconteçam, sejam acidentais ou provocadas por imprudência de trânsito, violência urbana, negligência médica, consumo excessivo de drogas(…). Resumindo, parece que está faltando amor ao próximo! Parece piegas, mas vejo como uma referência inevitável ao que esperamos de nós mesmos. Se amássemos mais, cuidaríamos mais para que as pessoas não morressem e quando viesse a acontecer, fosse do modo natural, ao findar o último pulsar da vida.

Como dizia Renato Russo, “É preciso amar as pessoas, como se não houvesse amanhã porque se você parar para pensar, na verdade, não há”. Então, faça isso: Ame, incondicionalmente, mas não deixe para amanhã!

André Rocha
www.andrerocha.net

Você gostou? Compartilhe:
André Rocha em 03/12/17
Em um sentido único e determinado,
Nós somos compelidos a caminhar.
Sob reflexo de heranças do passado
Julgamos o que aprendemos a julgar.
 
De modo que um passo não é dado,
Sem a jurisprudência então consultar.
Se é um direito do réu ficar calado,
A sua versão ninguém irá escutar.
 
Fica o cidadão então, mal governado,
Aquele que governa então acusado,
Que não parece querer se justificar.
 
Segue o povo, que já está acostumado
Ver pela justiça o quanto é insultado,
Sem saber, a quem ela então servirá.
 
André Rocha
03/12/2017
Você gostou? Compartilhe:

Tags: , , , , ,